lockquote Resenha #51 - Uma História de Amor e TOC ~ Diurnos - Os Leitores

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Resenha #51 - Uma História de Amor e TOC





Uma História de Amor e TOCTítulo: Uma História de Amor e TOC
Autor: Corey Ann Haydu
ISBN: 9788501100580
Páginas: 320
Editora: Galera Record
Avaliação: 3/5 estrelas

Bea foi diagnosticada com transtorno obsessivo-compulsivo. De uns tempos pra cá, desenvolveu algumas manias que podem se tornar bem graves quando se trata de... garotos! Ela jura que está melhorando, que está tudo sob controle. Até começar a se apaixonar por Beck, um menino que também tem TOC. Enquanto ele lava as mãos oito vezes depois de beijá-la, ela persegue outro cara nos intervalos dos encontros. Mas eles sabem que são a única esperança um do outro. Afinal, se existem tantos casais complicados por aí, por que as coisas não dariam certo para um casal obsessivo-compulsivo? No fundo, esta é só mais uma história de amor... e TOC.

Neste livro, Bea, uma adolescente que tem TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo),  conhece um garoto em um blecaute numa festa, Beck, ele está tendo uma crise, porque também sofre da mesma doença que ela, e a menina o ajuda a sair dessa o beijando, logo depois o garoto foge, mas Bea o reencontra na terapia em grupo sugerida por sua doutora.

O “problema” de Bea é stalkear as pessoas que ela acha interessante, e na sala de consulta da terapeuta ela conhece um casal em crise, mas em especial o homem da relação, Austin, um cantor de rock, aparentemente bonito e alto. Bea tem uma quedinha por ele e começa a stalkear a vida dele e da esposa. Outroa transtornos dela são que ela não consegue dirigir muito rápido, e belisca sua coxa quando está em algumas situações constrangedoras.

Já de Beck, seus transtornos são malhar muito, e fazer tudo oito vezes, ou em oito minutos, oitenta, e por aí vai.

E a trama inteira Bea passará stalkeando a vida dos dois, amadurecendo a sua relação com Beck , tendo avanços e recaídas em suas compulsões, e suas preocupações com a mudança do ensino médio para a vida universitária.

O livro deve ser lido, sem pressa, para aproveitar cada palavra que a autora quis colocar na sua obra, sem grandes expectativas, é um livro YA bem levinho, que acompanha a vida de uma adolescente conturbada com seus problemas escolares, “psicológicos” e amorosos, não terá muitas reviravoltas, é um sick-lit com muito pouco drama.

Um assunto que me decepcionou no livro, foi que, a trama conta a história da vida de Bea, mas esquece completamente da família dela, quase nunca é citada, de vez em quando temos algumas aparições de sua mãe na história. Mas em compensação uma coisa muito boa que a autora vez no livro foi tentar desmistificar alguns assuntos passados sobre o TOC.

O livro é narrado por Bea, sem muitas descrições, e bastantes diálogos, conseguimos entrar na cabeça da personagem e saber o que ela pensa, como funciona o seu cérebro quando está tendo uma crise de compulsão, ou quando está sã e stalkeando as pessoas. A narrativa é muito boa, porém se tivesse também o ponto de vista de Beck, acredito que acrescentaria uma boa história para o livro.
Enfim, eu recomendo o livro para quem quer uma leitura para descontrair, sem muitas expectativas, como disse, o livro é bom, mas tem alguns pontos que deixaram a desejar, e por isso a minha avaliação é de 3/5.

Jorge Henrique


Jorge Henrique Ama o Universo dos livros, das séries de TV e da Matemática, seus autores preferidos são Cassandra Clare, J.K. Rowling, David Levithan, Verônica Roth, Cornélia Funk, e seu maior sonho é ter uma enorme biblioteca em seu quarto, mas por enquanto se contenta com o que tem. Facebook

←  Anterior Proxima  → Página inicial